Uma análise ao voto ( perspectiva da Ciência Política )


Ariclenes Nvita

506323163

As eleições que serão realizada a 23 de Agosto de 2017 que trás como lema ” Votar pela Paz e pela Democracia. ” Representa um acontecimento de extrema importância na consolidação do processo de democratização em Angola.
É nesse dia que o cidadão – eleitor que tenha cumprido os requisitos jurídicos como o registo eleitoral actualizado bem como o seu respectivo cartão eleitoral sera chamado a exercer o seu direito de Voto para escolher os seus representantes políticos. No entanto o exercicio de direito do voto é um acto e dever de cidadania previsto na constituição de Angola art. 54° n• 3
É da competencia da CNE ( comissão nacional eleitoral) e dos agentes eleitorais desenvolverem uma ampla campanha de educação civica e eleitoral para lubrificar o cidadão – eleitor sobre:
a) Os objectivos das eleições;
b) A maneira de votar;
c) fases dos processos eleitorais;
d) divulgação pelos orgãos de informação e outros meios
Essa campanha entra em conformidade com a lei orgânica das eleições gerais do art. 77° e 144° nas alineas a, b, t e u.
E a pergunta que não quer se calar
Quem são os agentes eleitorais? Para tal vou recorrer ao codigo de conduta eleitoral no art.° n° 2 que são os partidos politicos e coligação, os candidatos, militantes, os membros dos orgãos administração eleitoral, observadores internacionais, os eleitores , a sociedade civil, as igrejas, entidades religiosas, autoridade tradicional entre outros.
O voto
Indubitavelmente não se pode falar de voto sem trazer a luz a democracia pois o voto é apenas um instrumento da democracia.
Sendo a democracia um termo de origem do grego surgida na polìs ateniense
Demos – povo e Kracia poder fazendo a junção das palavras será ” o poder do povo ” logo podemos refletir que nesse regime político que o povo tem mais importância que Estado ( Estado em sentido restrito referindo o aparelho do Estado ( direcção do Estado e o corpo do Estado segundo a piramede do poder do Estado) Pois o povo é o unico que pode legitimar o poder político vejamos na constituição de Angola art. 3° da soberania.
Existem dois tipos de democracia: democracia participativa que os cidadão participavam de forma activa na res pública ( coisa pública ) como oucorreu na democracia escravocrata ateniense ( pois não consideravam cidadão as mulheres, as crianças e os escravos )
A democracia representativa só o termo representar surgi no latim que significava ” tornar presente algo que está ausente ” no entanto a democracia representativa é quando os cidadão delegam os seus poderes
a uma elite organizada ( na prespectiva de Robert Michael chamariamos de Lei de ferro das oligarquias ( att: interessante referindo oligarquia corresponde a um regime impure e corrompido segundo os regimes Aristotelico ) atravez do sufragio.
O sufragio é de origem do latim que é o direito de votar como ser votado e de participar.
Na visão jurídica no mundovidencia de Maurice Duverge sufragio é a base ( povo ) do exercicio do poder poder politico.
Em conformidade de pensamento António Texeira define é o exercício do direito de soberania
Essas abordagem defendem a teoria de Jean Bodin da Soberania popular.
Numa visão politólogica o egrégio
Adriano Moreira define o sufragio como um instrumento de luta pelo poder independente das suas práticas sejam legais ou ilegais. Interessante essa perspectiva de Moreira podendo realçar a fraúde, a compra e venda de votos como meio de atingir o poder político coaduna muito com pensamento de Maquiavel
na sua obra o principe ” os fins vão justificar os meios porque o vulgo ( povo ) só julga aquilo que ele vê e pelos resultados)
Ex: As eleições nos Estados Unidos da America onde Trump teve apoio de Hackeres Russos nas eleições Norte Americana adversariando Hilary Clinton
Ex: Africa é um bom exemplo dessa concepção
Numa visão pessimista de Karl Marx Sufragio é um instrumento de dominação ao serviço da burguesia. Marx veja no voto como mero instrumento para manter no poder a burguesia de forma legal.
Refletindo essa perspectiva vou recorrer aos estudos do russo Mosei Ostrogoski fantasiado pela democracia Americana profetizada por Alex Tocquiville decidiu ir para lá confirmar ciêntificamente mas posto lá ficou decepcionado com o que viu venda e compra de votos, corrupção entre outros mas o que impressionou foi o que designou ” maquina ” refindo ao bipartidario ( dois partidos que dominam a disputa eleitoral ( Repúblicano e Democratas ) que disputavam atravez do voto onde diversificavam cada anos alternancia do poder mas na verdade os dois partidos actuavam da mesma forma ( enriquecendo a seus intereses burgueses ).
Se o sufragio é o direito de votar então o voto é o exercício do sufragio.
O voto é o exercício de votar.
Para Paula do Espírito Santo o voto é um acto individual condicionado as expiriência pessoais, por processo psicosocial como também de conjutura colectiva de atitudes e valores.
Nota se que o voto é um acto individual mas é motivado por influência da colectividade ou por condições regionais ou local.
No entanto resta me olhar ao modelo de comportamento sociologico onde os eleitores votam por influência do seu espaço geografico, etnico ou condições sociais
Ex: o partido MPLA tem pouco apoio da população em Cacuaco onde designada Zona cinzenta.
Temos um exemplo também as eleições de setembro 1992 onde os partidos concorrentes UNITA, FNLA, PRS e MPLA em busca de eleitores recorreram ao voto chamado Voto Etnico.
A UNITA recorreu aos eleitores da etnia Umbundu uma maioria populacional que situa – se no sul de Angola em especial aos planaltos.
central.
A FNLA por sua vez recorreu aos eleitores Bakongo no Norte de Angola para obtenção de votos.
O PRS partido de renovação social foi buscar a sua salvação aos eleitores Tchowes ou das etnias do Leste de Angola as duas Lundas sul e Norte e o Moxico em especial.
O MPLA partido no poder sua base era dos Ambundu mais os seus eleitores eram multietnicos busca todo eleitor.
Bem o voto etnico actualmente já não tem importancia pois os eleitores não olham na sua etnia.
É fundamental o eleitor estabelecer 3 perguntas sobre a sua consciência:
1) O que é o Voto?
2) Porque eu tenho que Votar?
3) Quem eu devo votar?
O cidadão deve ser o centro de qualquer programa de governação e está acima de qualquer condições partidaria. O eleitor deve tomar o seu voto baseiando no voto racional e não cair no voto emocional.0,d93322f5-3126-42ae-98ed-140d41946f28

Anúncios